kado (scandaroli) wrote,
kado
scandaroli

Clovis Rossi

Só em um país de seriedade zero, como o Brasil, o presidente da República pode continuar a pretender ser inocente quando os seus mais graduados assessores têm contas a prestar à polícia e à Justiça.
Com a queda de Ricardo Berzoini, presidente do PT, do cargo de coordenador de campanha, tem-se o seguinte: todos os dois homens que exerceram papel idêntico ou similar nas duas campanhas de Lula caíram por algum tipo de trambique. Antonio Palocci, coordenador do programa de governo na campanha de 2002, por abuso de poder, ao determinar a violação do sigilo bancário de um caseiro.
Agora, cai Berzoini, que mentiu uma e outra vez sobre sua participação no ato ("abominável", segundo o presidente) de negociar o dossiê contra os tucanos. Nem Lula, sempre disposto a afagar os seus, mesmo aqueles que cometem crimes, agüentou o tranco e, mais uma vez, livrou-se do inconveniente para tentar não ser mais prejudicado. A queda de Berzoini atinge o terceiro presidente consecutivo do PT, depois de José Dirceu e José Genoino, todos também baleados pela onda de escândalos em que se especializou o lulo-petismo.
Fora a cúpula, há todos os demais envolvidos menos notórios, mas não menos próximos do presidente da República (churrasqueiro, segurança, o homem do BB). Depois tem petista que reclama quando o procurador-geral batiza a cúpula do PT de "organização criminosa". É pouco, conforme se vê dia após dia.
Como se não bastasse, cai também um assessor de Aloizio Mercadante(que, não surpreendentemente, diz que de nada sabia). Prova definitivae cabal que meter a mão em matéria fecal tornou-se hábito disseminadopor todos os cantos e correntes do PT. Nem em república bananeira se vêmais uma história tão sórdida, tão baixa.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2109200603.htm

  • Post a new comment

    Error

    default userpic

    Your IP address will be recorded 

  • 4 comments